Acupuntura para Evitar Lesões

Consagrada no tratamento de dores e contusões, a terapia chinesa agora se destaca como aliada na prevenção de problemas ligados aos esportes.
Atletas profissionais do nível de Neymar já lançam mão delas há algum tempo para aliviar processos dolorosos e se recuperar rapidamente de desgastes musculares. Acontece que, aqui no Brasil, a terapia chinesa estava quase totalmente restrita ao tratamento de lombalgias, tendinites e outros chabus decorrentes do excesso de exercício físico. Mas o conceito de que ela pode impedir o surgimento desse tipo de problema começa a ganhar força em território nacional.
“A filosofia da acupuntura sempre foi focada na prevenção”, informa o médico do esporte e especialista nessa técnica milenar Daniel Gentil, da Universidade Federal de São Paulo. Isso porque as agulhas agem nas causas funcionais, ou seja, nas inflamações, edemas, encurtamentos musculares e pequenos derrames nos músculos que, se não controlados, originam a lesão ou ao menos agravam outra já existente. “Aliás, grande parte dos quadros surge de antigos problemas mal reabilitados”, adverte Liaw Chao, eletroacupunturista com foco em esportes do Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura (CMBA).
Vale ressaltar que o método deve ser adaptado para cada prática. É que o acupunturista precisa identificar as áreas mais sujeitas a contusões com base na atividade física escolhida pelo paciente. A par dessas informações, ele aplica as agulhas em pontos específicos. “Cada esporte gera uma sobrecarga única em determinadas regiões”, reforça Joel Steinmen, médico do esporte e acupunturista de Florianópolis, em Santa Catarina. “A acupuntura trabalha na estimulação dessas áreas a fim de encontrar e manter o equilíbrio para que as lesões não apareçam”, completa.
Pelo corpo dos esportistas

Confira 11 tormentos que a acupuntura pode evitar:
As agulhadas nos protegem por uma série de motivos. Elas relaxam a musculatura, facilitam a circulação sanguínea, controlam processos inflamatórios e trazem uma sensação prazerosa por promoverem a liberação de endorfinas.
“Segundo a tradição chinesa, a acupuntura age na harmonização das energias. Já do ponto de vista ocidental, ela ativa grandes nervos periféricos”, ensina Gentil. De qualquer modo, a ideia é que as agulhas não produzem efeitos apenas onde são posicionadas, mas no organismo todo. “A técnica, por exemplo, patrocina a liberação de substâncias que trazem bem-estar. Portanto, incrementa não só a capacidade física como a mental”, avalia Gilberto Rodrigues, médico acupunturista, de São Paulo. E, com bom humor, a chance de você não cair no sedentarismo por pura preguiça, pelo menos em tese, aumenta.
Mas será que o método também melhoraria o desempenho físico? Para Liaw Chao, a resposta é afirmativa. “Ao longo dos treinos, naturalmente surgem encurtamentos na musculatura, entorses e processos inflamatórios. Como a acupuntura resolve esses empecilhos, a performance do indivíduo melhora”, argumenta. Embora a lógica faça sentido, faltam estudos científicos sérios que comprovem a teoria.
As contraindicações para a prática milenar são poucas. “Uma relativa é o medo de agulha”, afirma Gentil. Pessoas com infecções graves também precisam tomar cuidado, porque os minúsculos furos causados pelas espetadelas servem de porta de entrada para micro-organismos oportunistas que agravam a situação. Felizmente, procedimentos similares foram criados como alternativa à versão original (veja a tabela abaixo). Mesmo assim, sempre consulte um especialista antes de se submeter às sessões. Com o aval dado, aposte sem medo na acupuntura para que as atividades físicas tragam todos os seus benefícios com um risco reduzido de sentir uma pontada durante o treinamento.

As diferentes modalidades:
Eletroacupuntura Descargas leves emitidas por eletrodos são usadas como estímulo.
Laserterapia Uma radiação de baixa intensidade é liberada na pele.
Auriculoacupuntura Pequenas sementes são colocadas em partes específicas da orelha.
Moxabustão Os especialistas aquecem uma erva e, aí, usam o calor dela para ativar os pontos.

 

Fonte: Fisioterapia

Deixe uma resposta