Calatonia – relaxamento profundo com toques sutis nos pés

Se usado com sabedoria, o simples toque das mãos é capaz de atuar de forma terapêutica, como acontece na Calatonia. Essa técnica de relaxamento profundo foi trazida ao Brasil pelo médico húngaro Pethó Sándor, no início da década de 50, mas foi desenvolvida durante a Segunda Guerra em soldados que sentiam fortes dores por causa dos ferimentos.
A naturóloga Rosana Batestusso é uma das profissionais de saúde que utiliza o método relaxamento profundo. “Psicólogos, terapeutas ou fisioterapeutas com a formação em Calatonia são os mais indicados para realizá-lo”, alerta.
O segredo da terapia é o uso de toques sutis que estimulam nove pontos onde há maior concentração de receptores nervosos ou circulatórios. São pontos próximos aos meridianos, da medicina chinesa, ou mesmo da ayurvédica.
“Quando há um estado de estresse, por exemplo, ocorre uma cascata de eventos bioquímicos e biológicos que alteram o organismo, a Calatonia tem a função de reorganizar o corpo por meio de toques simples, esses têm alto potencial da sensibilidade cutânea. O profissional escolhe os pontos conforme o histórico de cada paciente e sua evolução durante a terapia”, explica a naturóloga.
Os pontos se concentram na região dos pés, em cada um dos artelhos (dedos dos pés), em dois pontos da sola dos pés, calcanhares, tornozelos além de mais um toque no início da barriga das pernas. “Há também o décimo, aplicado na nuca, mas é difícil usá-lo”. São feitos nessa área por uma simples razão. Conforme a naturóloga, muitas pessoas têm resistência ao toque, o que não acontece com os pés. Os pacientes podem ficar vestidos e se sentirem mais a vontade.
Rosana conta que usou a terapia depois que seu marido sofreu um infarto e ficou internado na UTI. Por não usar algum óleo essencial, ou interferir no tratamento, ela aplicava a terapia dentro da unidade e percebia que o método potencializava o efeito do remédio, dessa forma, o seu marido não sentia dores e finalmente conseguia dormir.
“Ela traz benefícios à medicina convencional e pode ser usado em casos de ataque cardíaco, estresse, artrite, artose, e problemas emocionais, entre eles, pânico, depressão, além de crises de ansiedade”, ressalta.
Em média a aplicação em cada ponto é feita em três minutos. Em pessoas com pressão baixa, Rosana sempre usa um óleo essencial de eucalipto, pois o relaxamento profundo durante a massagem pode diminuir ainda mais a pressão. “O número de sessões varia conforme o paciente geralmente é dez”, diz.

Fonte: Vila Mulher

Deixe uma resposta