Dores no Quadril?

Vértebras Lombares: Os nervos que se originam na região lombar são responsáveis pela sensibilidade na região do quadril, por isso que os problemas nas vértebras lombares, como, rotações vertebrais, hérnias discais, protusões ou qualquer outro fator que pode causar alguma irritação nervosa, vão refletir diretamente em dores na região pélvica. Todos os músculos da região pélvica são inervados pela região lombosacra, sendo assim as disfunções lombares desencadeiam tensões musculares dolorosas. As vértebras lombares possuem uma relação mecânica com os movimentos do quadril pela relação com o osso sacral  (articulação lombo-sacra) e pelos ilíacos (ligamentos íliolombares).

Tipo de dor: Dor agrava nos movimentos da coluna lombar (flexão, extensao e inclinação).

Sacro: Localizado ao final da coluna lombar, no centro da região glútea. O sacro constitui uma das partes da articulação sacroilíaca, traumas na região sacral como quedas sentadas, podem repercutir em dores no quadril, principalmente ao movimentar, andar e agachar. Disfunção no sacro geralmente acomete as vísceras, por que os nervos responsáveis por toda inervação das vísceras baixas emergem da região sacral, salvo algumas estruturas. Outro fator importante é a relação com o músculo piriforme (foi visto em lombociatalgias), causando irritação do nervo ciático. Nos problemas sacrais é comum apresentar um aumento do tônus muscular da região do quadril e do membro inferior como um todo, pois toda a musculatura inferior recebem inervação sacral.

Tipo de dor: Dor agrava nos movimentos de flexão, extensão e rotação do tronco, ao sentar e levantar, ao ficar sentado e ao agachar. Dores lombares associados a dores no quadril. Refere dores aos membros inferiores. Existe o agravante de apresentar sintomatologias viscerais, dores fortes no período pré-menstrual, incontinênica urinária, constipação intestinal, dores na relação sexual, etc… Outro sintoma que pode relacionar é a ciatalgia (dores no membro inferior, chegando até os pés, formigamento pode estar associado).

Ilíaco: Famoso osso da “bacia”(quadril), ele se articula com o sacro e com o fêmur. Portanto é o responsável por transmitir os prblemas da articulação coxo-femoral ao sacro e vice versa. Exerce uma importância grande ação na flexo-extensão e adução e abdução da coxa, tem um movimento aproximado de 5-7 graus. Dores ao sentar, agachar e levantar são comuns. Esse problema articular pode repercutir para outros tecidos como músculos e ligamentos. Pode contribuir para o aparecimento de uma lesão sacral e desenvolver problemas viscerais como foi visto anteriormente, pela irritação do plexo sacral. Como o ilíaco se relaciona intimamente com o sacro, pode desenvolver dores nos membros inferiores (chegando até os pés, pode estar associado a formigamentos).

Tipo de dor: Dores ao sentar, levantar, abrir ou fechar as pernas. Pode irradiar aos membros inferiores. Agrava ao correr, ficar em uma perna só e associa a dores nos membros inferiores. A parestesia (formigamento) pode estar associada.

Coxo-femoral: É uma articulação formada pelo fêmur e o acetábulo localizado na pelve (ilíaco). Permite todos os planos de movimento, tendo como limitação óssea a sua principal barreira articular, tem intensa trama ligamentar (cápsula articular). Os movimentos do fêmur vão atuar diretamente no movimento da região sacro ilíaca, como os ligamentos dessa região são bem estáveis, os movimentos femorais são acompanhados pela pelve e vice versa. Por isso os problemas articulares dos membros inferiores podem acarretar em dores lombares e pélvicas. Existe uma relação muscular do fêmur com os ossos sacroilíacos, pois diversos músculos se inserem do fêmur para o ilíaco e ao sacro.

Tipo de dor: Dores com limitações articulares em vários planos de movimento tanto da coxa quanto do ilíaco.

Cápsula articular: É uma trama ligamentar que é responsável por estabilizar a articulação coxo-femoral, como qualquer ligamento ela pode causar dores na região pélvica por alguma lesão (principalmente traumas que causam estiramento – abertura excessiva das pernas). Ela é a principal estrutura que transmite passivamente os movimentos do fêmur à pelve, que por sua vez ao sacro e para as vértebras lombares. Ativamente quem faz essa associação são as tramas musculares.

Tipo de dor: Muita limitação articular, dor ao realizar qualquer movimento com a coxa.

Músculos: Alguns músculos podem causar dores no quadril, os principais são o piriforme, glúteos (médio e mínimo), tensor da fáscia lata, quadrado lombar, multífidos, todos os músculos da coxa (anterior e posterior), dentre outros. Esses músculos podem se lesionar de diversas formas, traumas, posturas, problemas viscerais e vertebrais. Alguns estão relacionados com a parte neurológica, tornando mais intensa a dor.

Existem diversos músculos da região pélvica que influenciam diretamente no movimento articular do joelho. Músculos que realizam tanto a flexão quanto a extensão da coxo-femoral se inserem nos ossos da pelve. Os músculos rotadores também são importantes na biomecânica dos ossos pélvicos.

Tipo de dor: O paciente apresenta dores na região lombar pélvica e dores no joelho. Dores de características neurológicas (dói a ponta do osso, e a pele fica sensível). A dor piora no alongamento, ao realizar pressões ou contrações musculares.

Nervos: Os nervos tanto da região lombar quanto sacral, são responsáveis pela inervação de todos os tecidos da região pélvica. Tem grande importância nas principais sintomatologias, uma vez que são responsáveis por tudo, sensibilidade, contração muscular, sensação de dor, tudo. Mas as pessoas ainda confundem, pois é estranho entender uma dor neurológica. Pode ser causado por tensões musculares (psoas e piriforme), problemas articulares (osteófitos, espondiloartroses, principalmente as vertebrais lombares baixas e sacrais), problemas discais (hérnias e protusões das lombares baixas que acometem o plexo sacral). Os sintomas neurológicos são comuns em pessoas que fraturam o sacro que formam fibrose tecidual e desenvolve o espessamento ósseo.

Tipo de dor: Dores difusas, muitas vezes a pele se apresenta sensível e extremidade óssea dolorida (ponta dos ossos), sendo difícil ficar sentado, ou apoiado na região sacral. Pode apresentar dores em faixa e irradiada para as pernas podendo chegar até os pés.

Problemas vasculares: A região pélvica é vascularizada pelas artérias ilíacas e veias ilíacas. Problemas vasculares podem causar dores difusas na região pélvica, que também podem desencadear disfunções viscerais de origem vascular. A diminuição da nutrição tecidual acaba gerando processos isquêmicos em várias estruturas, incluindo ósseas, musculares e viscerais, que informam o problema ao sistema nervoso gerando dores difusas.

Tipos de dor: Dor difusa, constante ou pulsada, que pode agravar ao realizar atividades físicas ou ao realizar ingestão medicamentosa vasoativa. Dor de difícil localização, e é associada a uma sensação de cansaço e peso na região.

Problemas uroginecológicos: A bexiga, útero e próstata, são inervados pela região lombar e sacral (gânglio mesentérico inferior e hipogástrico – L1-L5 e plexo sacral – parassimpático). Isso justifica os pacientes que apresentam infecções na bexiga, problemas prostáticos e nos períodos pré-menstruais, geram dores lombares e na região do quadril. Além da relação neurológica, esses tecidos possuem ligamentos que se inserem diretamente na região sacral e lombar, que podem tensionar quando apresentam problemas orgânicos (a mais importante é o ligamento sacroretovesicogenitopúbico).

Tipos de dor: Dores intermitentes com períodos de agudização, com pouca limitação articular, geralmente estão associados problemas uroginecologicos, cistites, dores abdominais, dismenorréia, prostatites, entre outras.

 

Doutor shopfisio