Elefanta bebê faz hidroterapia após sofrer acidente em armadilha.

Ainda se fala muito sobre terapias feitas com animais, neste caso, um tratamento fisioterápico é realizado com uma elefanta bebê, após quase perder sua pata em uma armadilha na Tailândia. Para tratar o animal, que tem apenas seis meses de vida, os veterinários de uma clínica na província de Chon Buri, próximo à Bangkok, estão realizando sessões de hidroterapia com o filhote.

“Clear Sky”, como é chamada pelos veterinários, é a primeira elefanta a passar por hidroterapia na clínica. A intenção é o fortalecimento dos músculos do animal para que ele ande em terra novamente.

“Essa é a segunda vez que ela faz hidroterapia, então ainda fica um pouco nervosa e com medo da água”, afirmou o veterinário Padet Siridumrong.

Segundo os veterinários a tendência é que nas próximas sessões ela se divirta com a fisioterapia, já que normalmente os elefantes gostam de água.

Clear Sky estava sozinha e com a pata machucada quando foi encontrada. Como ainda era um bebê, precisava não só da cirurgia no pé, mas também de leite. Os veterinários agora acreditam que, com o tratamento, a pequena elefanta não precisará de uma perna artificial.

Elefantes são um símbolo nacional na Tailândia. Estima-se que haja cerca de 4 mil animais domesticados no país. Destes, grande parte serve ao turismo local, que, segundo ativistas, explora os animais.

A Hidroterapia não utiliza somente o mergulho na água como forma de aplicação, como acontece na Hidroginástica. Ela utiliza os três estados da água (sólido, líquido e gasoso), utilizando as variações de temperatura para curar e prevenir enfermidades. Quanto mais frequente a variação, seja ela acima ou abaixo da temperatura do corpo, mais intenso serão produzidos os efeitos fisiológicos.

Fonte: O Globo

Adaptação: Redação Shopfisio

Deixe uma resposta