Fisioterapia no Mundo Animal

Quem pensa que a fisioterapia é só para humanos, muito se engana. Os animais também podem e devem fazer esse mesmo tipo de tratamento. A história da fisioterapia no mundo animal tem início nos anos 70, quando o tratamento humano foi adaptado em cavalos de corrida, sendo que, a partir da década de 80, ela começou a ser aplicada em pequenos animais. A resposta terapêutica foi superior do que em pessoas.

Nos dias de hoje, a fisioterapia para animais se restringe a médicos veterinários e está protegida pela Legislação Federal, sob a Resolução nº850 de 05/12/2006 do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), no qual resolve, pelos artigos primeiro e segundo, tão só a atuação do médico veterinário em executar métodos e técnicas fisioterápicos com a finalidade de reabilitar, desenvolver e conservar a capacidade física do animal.

Dada a descoberta da importância da fisioterapia aos animais, o objetivo do tratamento envolve vários aspectos, como aumentar a eficiência do tratamento clínico e cirúrgico e buscar tratar – além de doenças – problemas secundários devido a elas. A fisioterapia vai reduzir também dores, inflamações, espasmos musculares e edemas, melhorar a coordenação, o equilíbrio e a amplitude articular, acelerar o processo de cicatrização e o tempo de recuperação, prevenindo contrações e deformidades.

“A fisioterapia veterinária tem a mesma importância que a fisioterapia humana, onde se torna necessária para prevenção e cura de enfermidades do aparelho locomotor, onde muitas sequelas podem ser evitadas”, explica a Dra. Laryssa Petrocini Rosseto, pós-graduada em Fisioterapia e Reabilitação Veterinária e na especialidade de Acupuntura Veterinária.

Segundo ela, a melhora do condicionamento físico, o aumento da força e resistência, a perda de peso e a regeneração de tecidos e ossos são outros benefícios que a fisioterapia traz ao animal. As sessões de fisioterapia para animais são realizadas através da aparelhagens específicas e atividades como natação, exercícios com bola, esteira canina e outras técnicas fisioterápicas.

Alguns motivos levam a indicação do veterinário para que o animalzinho faça fisioterapia, como reabilitações pré e pós-operatórios, ortopédicas, neurológicas, obesidade, tratamento de dor e feridas e animais geriátricos e/ou outros que necessitam de auxílio no tratamento cardiorrespiratório.

Na área há três anos, a médica veterinária Manuelle Audino Rodrigues de Sá, também especializada em Acupuntura, Fisioterapia e Reabilitação Veterinária, afirma que a fisioterapia é facilmente aceita pelos animais. “Não existe diferença de raça quanto a aceitação, e sim uma diferença individual e/ou comportamental [dos animais]”. Quanto ao tratamento fisioterápico, não há diferenças também na resposta de cada bichinho segundo a raça, porém, pode ser influenciada pela idade, gravidade da patologia e organismo de cada animal.

O bem estar de cães, gatos, cavalos e outros bichos é o mais visado entre os profissionais da medicina veterinária. “A fisioterapia melhora a qualidade de vida do animal, tornando-o o mais independente possível do homem”, finaliza a Dra. Manuelle.

Fonte: revide.com.br

Deixe uma resposta