Pilates para o Cérebro

Qual o nome do filme daquela atriz belíssima?

Sim! Alta, cabelos negros, trabalhou algumas vezes com aquele ator maravilhoso… Como é mesmo o nome dele? Aquele que trabalhou naquela peça de teatro famosa?!?!?

É assim que começamos!

A partir dos trinta anos, em geral, começamos a notar pequenos esquecimentos. Ainda que estes pequenos esquecimentos não afetem nossa vida, nos causam ansiedade.

E aí pensamos que o cérebro está começando a atrofiar, e nos preocupamos em ficar como aquela tia idosa, que recorda, com pequenos detalhes, tudo sobre sua infância, mas não se lembra do que fez ontem. Se isto te parece familiar, não se preocupe.

As pessoas, equivocadamente, relacionam a idade com a falta de memória. Os neurocientistas têm comprovado que a perda de memória de curto prazo não se deve à idade ou à morte dos neurônios e sim, à redução do número de conexões nervosas.

Assim como se atrofia um músculo sem uso, os dendritos também atrofiam se não são usados com freqüência. Conseqüentemente, a habilidade do cérebro para receber nova informação é reduzida.

As neurotrofinas são moléculas que mantêm as células nervosas saudáveis. Quanto mais ativas essas células, maior quantidade de neurotrofinas elas produzem, gerando mais conexões entre as áreas cerebrais.

O que necessitamos é fazer pilates com os neurônios: alongá-los, surpreendê-los, sair de sua rotina, apresentando novidades inesperadas e divertidas através das emoções, do olfato, da visão, do tato, do paladar e da audição.

O resultado? O cérebro se torna mais flexível, mais ágil, e sua capacidade de memória aumenta.

Fonte: bbel.uol.com.br/qualidade-de-vida/post/ginastica-para-o-cerebro

 

TENTE, ao menos uma vez por semana, tomar uma ducha com os olhos fechados. Só com o tato, localize as torneiras, ajuste a temperatura da água. Verá como suas mãos notarão texturas que nunca havia percebido.

UTILIZE a mão NÃO dominante. Coma, escreva, abra a pasta, escove os dentes, abra a gaveta…

LEIA em voz alta: diferentes circuitos serão ativados, além dos que usa para ler em silêncio.

TROQUE suas rotas: passe por diferentes caminhos para ir ao trabalho ou para casa

MODIFIQUE sua rotina. Faça coisas diferentes. Conheça e fale com pessoas de diferentes idades, trabalhos e ideologias. Experimente o inesperado. Use as escadas ao invés do elevador. Saia para o campo, caminhe, troque a localização de algumas coisas. Mude a lixeira de lugar, e você verá o número de vezes que vai atirar o lixo no antigo local.

APRENDA uma habilidade. Qualquer coisa; pode ser fotografia, culinária, estudar um novo idioma. Se você gosta de quebra-cabeças ou figuras, cubra um olho para perder a percepção de profundidade, de modo que o cérebro tenha que buscar outras rotas.

Porque não abrimos a mente e provamos esse exercício tão simples que, de acordo com os estudos de Neurobiologia da University Medical Center, ampliam nossa memória?

Nunca mais voltaremos a perguntar: Onde deixei minhas chaves?

 

Ft. Priscila Gonçalves

Crefito/3: 119066-F

Deixe uma resposta