Prática de Pilates como prevenção e reabilitação Cardiovascular

A prática de Pilates é um importante aliado na melhora do sistema cardiovascular, podendo, inclusive, ajudar no combate às enfermidades.
Embora a realização de atividades físicas rotineiras, como andar, lavar o carro e varrer a casa colabore para um estilo de vida menos sedentário, a prescrição individualizada de exercícios físicos traz benefícios mais eficazes e seguros para cada praticante.
Com a prática dos exercícios, ocorre aumento dos batimentos cardíacos, fazendo com que a corrente sanguínea dirija sangue rico em oxigênio para todas as fibras musculares e importantes veias capilares, aumentando a oferta normal e natural do sangue que irá percorrer o cérebro, resultando em estímulo para as funções mentais.
O Pilates atua também na recuperação de pacientes que passaram por cirurgias cardíacas e incentivam mudança de estilo de vida.
Os pacientes submetidos a cirurgias no coração ou acometidos por evento coronariano agudo podem praticar um programa especial de Pilates para ajudar na recuperação ou mesmo prevenção de doenças cardiovasculares.
Com exercícios leves e moderados feitos no solo ou com equipamentos apropriados, o método recorre às atividades que atentam para a respiração e baixo número de repetições, garantindo a qualidade dos movimentos, identificando e controlando os fatores de risco cardíaco e incentivando a adoção de alternativas para mudanças no estilo de vida.
Segundo Luzimar Teixeira no livro Atividade Física Adaptada e Saúde, (2008, pg 198.) O exercício resistido dinâmico de baixa a moderada intensidade (até 50% da contração voluntária máxima), realizado em séries de 10 a 15 repetições, com intervalo de descanso entre as séries, é recomendado como parte complementar de um programa de prevenção e reabilitação cardiovascular (ACSM, 2000). Nessas condições, esse tipo de exercício promove melhora na resistência muscular facilitando a realização das tarefas diárias, trazendo maior independência, principalmente para indivíduos com idade mais elevada.

 

Fonte: Revista Pilates

Deixe uma resposta