Quanto mais exercícios, melhor precisa ser a alimentação

Esportistas regulares ou habituais – aqueles que não se restringem a alguns minutos de atividades nos finais de semana, mas têm uma rotina mais constante – nem sempre conseguem manter uma alimentação balanceada no seu dia a dia. Para isso existem diversos suplementos que podem ajudar a manter a boa saúde e o rendimento do treino.
Isso também vale para aqueles que já podem ser considerados semi-profissionais e, principalmente, para os atletas de alto rendimento. “Em todos os casos, a suplementação vem para evitar a fadiga, melhorar o anabolismo – o rendimento dentro da prática do esporte – e fazer com que os treinos não sobrecarreguem o organismo ou mesmo causem danos a saúde”, afirma Luciane Vieira, nutricionista do esporte ligada ao ADS Laboratório Nutricional.
Um dos principais pontos a serem suplementados é o nível de ingestão de proteína, diz a especialista. Esse tipo de suplementação também é importante para aqueles que estão engajados em treinos resistivos com pesos – a musculação – pois sem esse complemento o corpo pode tirar energia de onde não deve.
“Claro que estamos falando de um treino minimamente planejado, onde além do preparador físico tenhamos a figura do nutricionista especializado em esportes. Essa coisa de, só porque está frequentando uma academia, o indivíduo acha que pode ir na loja da esquina e comprar suplementos protéicos é algo fora de questão”, lembra Vieira.
Sem um plano adequado, diz a especialista, esses indivíduos não sabem nem quais são suas deficiências, quanto mais o que é ideal para complementar suas perdas. Ou seja, acabam comprando “por indicação” algo que é individualizado. Afinal cada organismo reage diferente a determinados exercícios e nutricionistas fazem algumas dezenas de cálculos para determinar as necsesidades individuais.
E o que deveria atender a um objetivo específico – uma melhora na saúde global através de uma boa nutrição e, consequentemente, um treino com melhores resultados – acaba virando uma troca de “achismos” entre companheiros de academia.
“Planejar o treino é importante. Escolher a modalidade e consultar especialistas na área – como o cardiologista, o educador físico e o nutricionista – antes de começar a rotina seria a melhor coisa, pois de imediato esse indivíduo saberia as limitações e as atenções necessárias para não ter problemas de saúde. Gastar energia e não saber repor de forma adequada é um erro muito comum”, explica Vieira.

Treinos longos, atenção redobrada

Esportistas com treinos de resistência e de longa duração – como é o caso de corredores, ciclistas, nadadores e triatletas – além da suplementação protéica, também devem ficar atentos ao consumo dos carboidratos. “Se for necessário o profissional de nutrição pode indicar uma suplementação nessa direção, especialmente de carboidratos complexos adicionados de minerais e aminoácidos.”
Esse perfil de esportista também precisa de atenção no treino regular, que já é bem mais intenso do que o daqueles esportistas habituais. “Eles treinam muitas horas por dia e mesmo em repouso o metabolismo desses indivíduos gasta mais energia. Então é preciso suplementar a alimentação quase constantemente, mesmo quando não envolve aumento de performance, mas manutenção do corpo.”
A falta de atenção na alimentação pode causar problemas sérios. Em casos extremos a perda de sais minerais, potássio e outros nutrientes e a reposição inadequada via alimentação e suplementação pode levar até mesmo ao óbito, avisa a nutricionista. “Por isso é importante uma equipe multidisciplinar, que observe o exercício físico e os atletas como um todo que trabalha conjuntamente”, finaliza.

 

por Enio Rodrigo
Fonte: O que eu tenho?

Deixe uma resposta