Ultrassom no combate da gordura localizada e celulite

 

Nos últimos anos, o ramo da estética encontra-se em ascensão no mercado de beleza, trazendo diversos tratamentos que visam desde o bem-estar até a busca pelo “corpo perfeito” entre homens e mulheres. Destaca-se hoje no mercado, o uso do ultrassom, que tem por objetivo a correção de diferentes disfunções estéticas.

O acúmulo de gordura em uma dada região provoca a famosa gordura localizada. Exemplos desta formação é o culote e flanco, que são os locais que geram maior preocupação quando se trata de eliminá-los.  A celulite incomoda principalmente as mulheres, podendo apresentar-se de forma dolorosa e com alterações no relevo cutâneo, estendendo-se não somente nos membros inferiores e cintura pélvica, mas também no abdômen.  Os maus hábitos alimentares, sedentarismo e predisposição genética, são as principais causas do acúmulo da gordura localizada e celulite.

A manifestação da FEG (Fibroedema Geloide), mais conhecida como “celulite”, causa alterações na derme, na microcirculação e atrofia dos adipócitos (células de gordura), devido a degeneração do tecido adiposo.

Dentre as terapias utilizadas no combate a estas queixas, o ultrassom é um dos que apresentam melhores resultados. O ultrassom é um aparelho utilizado no ramo da estética e fisioterapia, e possui efeito mecânico, térmico, biológico e químico. O efeito mecânico é gerado pelas vibrações das moléculas causadas pelo aparelho, resultando na ruptura de macro moléculas, facilitando assim, a penetração de ativos e desencadeando o efeito térmico, provocando o aumento do fluxo sanguíneo da liberação de endorfinas na região. O efeito biológico ocorre através da promoção do aumento da permeabilidade celular, oferecendo uma melhor nutrição para o tecido. Já o efeito químico é o aumento do metabolismo celular, provocado pela melhora da nutrição celular e aumento da permeabilidade celular.

O mecanismo de ação do ultrassom é que permite a quebra da gordura causada pelo aumento da energia dentro do adipócito (célula de gordura) e faz com que ela se rompa, permitindo assim que a gordura possa posteriormente ser drenada para o fígado e vias linfáticas. Os efeitos do ultrassom também se estendem às camadas mais profundas da pele, acelerando o metabolismo e trazendo melhorias para a circulação sanguínea local, além de estimular a eliminação de toxinas.

Além de atuar contra a gordura localizada e celulite, o ultrassom também é utilizado para o tratamento de fibroses e aderências que podem surgir após cirurgias plásticas.

Recomenda-se que o uso do ultrassom não ultrapasse 20 minutos por sessão, e não seja realizado diariamente, pois se usado em excesso poderá ocasionar um efeito cumulativo no organismo e desencadear uma redução do nível de glicose no sangue. O número de sessões necessárias para obter o efeito desejado do ultrassom, será indicado em uma avaliação prévia gratuita após uma análise corporal detalhada.

Fonte: verarosa.com.br

Deixe uma resposta