Eletroterapia: o que é e quais são os tratamentos

Você sabe o que é eletroterapia? essa é uma das técnicas mais importantes da fisioterapia e da estética. Constantemente os aparelhos de eletroterapia evoluem, atualmente temos aparelhos modernos que são extremamente confortáveis aos pacientes.

Queremos que você conheça esse recurso fisioterapêuticos e os diferentes tipos de estímulos elétricos que você poderá aplicar no seu paciente.

Leia até o final e conheça tudo sobre eletroterapia.

O que é eletroterapia?

A eletroterapia é a aplicação de correntes elétricas com efeitos terapêuticos na fisioterapia, essa técnica surgiu no século 16. Mas, existem relatos da eletroterapia na Roma Antiga, onde utilizavam peixes elétricos para produzir choques e assim obter analgesia no local lesionado.

Qual a intensidade empregada na eletroterapia?

A intensidade das correntes aplicadas na eletroterapia são muito baixas, sendo sua unidade de medidas,  dada em Miliamperes (µA).

Para sua aplicação são usados eletrodos ligados diretamente na pele do paciente, sendo necessário um meio condutor, que pode ser água ou gel, sendo o gel neutro ou com ativos para correntes que têm a propriedade de permeação do ativo existente no meio condutor.

Além disso, existe a eletroacupuntura que utiliza de agulhas que são introduzidas na pele para estimular os tecidos.

Quais são os benefícios da eletroterapia?

São muitos os benefícios em geral que a eletroterapia pode trazer para o tratamento fisioterapêutico, abaixo iremos falar um pouco mais dos principais deles.

Relaxamento Muscular

O relaxamento muscular acontece quando cessa a despolarização da membrana muscular e ocorrem fenômenos contrários aos que ocorrem no mecanismo de contração muscular, ou seja, há uma diminuição do cálcio no interior das células, diminuição da pontes transversas entre a actina e miosina fazendo com o músculo restabeleça o seu comprimento original. Este efeito diminui a tensão muscular, melhora a circulação sanguínea local e ainda promove analgesia.

Redução de Edemas

A redução de edemas é mais um efeito da eletroterapia, pois a corrente gera contração muscular que impulsiona os vasos linfáticos, estimulando a reabsorção da linfa em excesso.

Controle da dor

O controle da dor através da eletroterapia pode ser secundário ao efeito de relaxamento muscular, ou ainda através da Teoria das Comportas que defende que a informação mecânica chega mais rápido ao córtex cerebral, bloqueando a informação da dor (nociceptiva), exceto em casos onde o estímulo nociceptivo é muito intenso.

Quais são os objetivos da eletroterapia?

A eletroterapia tem como objetivo ajudar na reabilitação dos pacientes, a partir do tratamento da patologia.

Seja qual for a corrente escolhida, o objetivo é o mesmo: produzir efeitos no local a ser tratado. Isso é possível a partir das reações que o organismo tem a partir dos estímulos elétricos.

Quais são os efeitos da eletroterapia?

A eletroterapia tem vários efeitos nas áreas a serem tratadas, como:

  • Aumentar a circulação do sangue
  • Melhorar a temperatura do corpo
  • Aumentar a oxigenação das célula
  • Deslocar cargas elétricas
  • Utilizar reações bioquímicas e fisiológicas para aliviar a dor, estimular fibroblastos

Quais são as Correntes Terapêuticas?

Existe uma variedade de correntes  utilizadas na eletroterapia, cada uma delas com particularidades relacionadas às suas indicações e contra-indicações, porém todas tem um objetivo comum: produzir efeitos no tecido a ser tratado, obtido através das reações físicas, biológicas e fisiológicas desenvolvidas pelo próprio tecido ao ser submetido à terapia.

São várias as correntes que podem ser utilizadas nesta terapêutica, são elas:

  • Aussie (Fortalecimento muscular e analgésica)
  • Diadinâmicas (Analgésica e Anti-inflamatória)
  • Farádica (Analgesia, Relaxamento Muscular)
  • Galvânica (Permeação de ativos, analgesia e Anti-inflamatória)
  • Interferencial (Analgesia e  Anti-inflamatória)
  • Microcorrentes (Anti-inflamatório, cicatrizante, bactericida, e antiedematosa)
  • Microgalvânica (Revitalização Cutânea)
  • Polarizada (Permeação de ativos)
  • Russa (Fortalecimento Muscular)
  • Tens e fes (Analgesia e fortalecimento muscular)

O que deve ser considerado em uma sessão de eletroterapia?

Cada uma das correntes acima tem suas próprias indicações e parâmetros que precisam ser considerados.

Por isso, o fisioterapeuta deve avaliar aspectos como:

  • Dor
  • Local e profundidade da lesão;
  • TIpo de tecido lesionado;
  • Tamanho da lesão.

Com todas essas informações, o primeiro passo é escolher qual corrente elétrica é a mais indicada para o caso em questão. Após isso, deve-se ajustar os parâmetros para que o resultado desejado seja obtido.

Mais do que conhecer o problema a ser tratado, é importante saber sobre os aspectos sob o qual a estimulação elétrica afeta cada tecido. Assim, fica mais fácil escolher o processo que seja mais eficaz e seguro para o caso do paciente.

Como a eletroterapia é utilizada na estética?

A eletroterapia também é utilizada para fins estéticos, como:

  • Redução de flacidez, rugas e olheiras;
  • Revitalização facial;
  • Diminuição de celulite.

Esses resultados podem ser obtidos a partir da:

  • Desobstrução dos gânglios linfáticos
  • Produção de colágeno
  • Oxigenação da pele
  • Fortalecimento de músculos

Agora que você sabe sobre o poder da eletroterapia, o que você acha de continuar seus estudos, entendendo um pouco mais sobre o ultrassom? Esperamos por você lá!