Ozonioterapia: para quê serve?

O ozônio foi descoberto no século XIX por pesquisadores. Mas só foi utilizado como terapia pela primeira vez em 1935, no século XX. 

Na época do descobrimento, era difícil aplicar a terapia por falta de recursos. 

Somente a partir da década de 80, o ozônio passou a ser utilizado de forma medicinal com mais frequência por profissionais especializados. 

Atualmente, tanto a medicina quanto a estética utilizam seus benefícios. E já temos várias tecnologias capazes de fabricar ozônio. 

Na medicina, a ozonioterapia trata doenças como  aterosclerose;  diabetes;  infecções  virais  e  bacterianas,  feridas, queimaduras, úlceras diabéticas, etc. 

“O ozônio é uma molécula instável e um poderoso antioxidante  que  elimina  microrganismos  sem  causar  qualquer  tipo  de  resistência,  produzido  naturalmente  por  neutrófilos supostamente  ativados  em  estado  de  defesa  do  corpo  humano.  (Yucesoy  et  al.,  2017 apud Macedo, Lima, Damasceno, 2022). O tratamento é eficaz na medida em que o gás atua “diretamente nos componentes de gordura (fosfolipídios) de todas as membranas celulares e no sistema de regulação fisiológica chamado Nrf2 (Fator Nuclear Eritróide 2), promovendo o reequilíbrio das funções biológicas” (Macedo, Lima, Damasceno, 2022, p.2).  Tendo um papel notório na estética, a ozonioterapia combate  a  gordura localizada,  celulite,  rugas,  flacidez,  acne,  hipercromias,  estrias, telangiectasias, etc. 

Como funciona a ozonioterapia? 

O ozônio (O3) é aplicado no corpo para auxiliar no tratamento de algumas doenças e aliviar dores.  Ele pode ser utilizado para combater doenças infecciosas, oxigenar tecidos, melhorar sistema imunológico, aliviar dores crônicas da fibromialgia e artrite.

Na estética, é uma terapia utilizada em tratamentos corporais e faciais. Redução da gordura localizada, diminuição de celulites, limpeza de pele e assepsia.  

O uso é liberado para dentistas e cirurgiões dentistas, para combater cáries, realizar limpezas e combater placas dentárias. 

Qualquer um pode realizar ozonioterapia para tratar doenças? 

Temos visto um grande aumento na procura e também nos anúncios sobre ozonioterapia. No entanto, não podemos esquecer que o uso medicinal e invasivo do ozônio deve ser administrado por médicos especialistas. 

Não se deve buscar tratamento para diversas doenças em clínicas sem o acompanhamento de um médico. 

Percebemos facilmente muitas propostas milagrosas envolvendo a ozonioterapia, mas é preciso cautela na hora de selecionar o profissional e confirmar o objetivo da aplicação do ozônio – que sendo administrado corretamente é extremamente benéfico! 

Tratamento auxiliar no rejuvenescimento da pele

O ozônio tem sido utilizado na estética facial e corporal como uma terapia de rejuvenescimento da pele. Segundo pesquisadores da área, o gás ozônio é capaz de melhorar a circulação, regenerar tecidos, estimular o metabolismo e acelerar a cicatrização, deixando a pele com aspecto mais jovial. 

“Segundo Lacerda et al. (2021), os resultados com o uso do ozônio são surpreendentes nos tratamentos corporais ou faciais, pois este gás também oferece ação microbiana direta contra vírus, bactérias e fungos, agentes envolvidos em algumas doenças de pele. Além disso, sua capacidade de oxigenação ameniza rugas,  uniformiza  a  pele  e  trata  a  flacidez. Assim auxilia no recrutamento de  fibroblastos, células responsáveis pela  produção de colágeno, glicosaminoglicanos e proteoglicanos, dentre os quais são os principais componentes da matriz celular e responsável por dar firmeza à pele” (Macedo, Lima, Damasceno, 2022, p.6).

Ação anti-inflamatória 

A ozonioterapia é utilizada como terapia integrativa, considerando que para tratar determinado tecido inflamado, é necessário um conjunto de ações médicas ou estéticas. É comprovado que a aplicação em tecidos inflamados resulta na redução da  “produção  de  citocinas  pró-inflamatórias  como  Interleucina- (IL-2),  Interleucina-4  (IL-4), Interferon-Gama (IFN-Y), Fator de Necrose Tumoral – Alfa (TNF) – a; Interleucina 17ª (IL- 17ª), Fator de crescimento Transformador-b (TGF-b), Interleucina-1b (IL-1B) e Interleucina-6 (IL-6), que aumentam em processos inflamatórios, principalmente os crônicos, sendo que a diminuição destes mediadores diminui a dor e o aspecto do tecido” (Macedo, Lima, Damasceno, 2022, p.2). 

Veja, a seguir, os principais aparelhos para ozonioterapia: 

Gerador de Ozonio – Oxonyx plus

Gerador de Ozônio Medplus 

Oxitone prime com vácuo tonederm 

Referências:

MACEDO, A.O, LIMA M.K., DAMASCENO, C.A. Ozonioterapia como aliado em tratamento estético no rejuvenescimento da pele. Research, Society and Development, v. 11, n.7, e- 44211730141, 2022.